sexta-feira, 3 de setembro de 2010

A tradicional lista criada pela Forbes mostra os homens mais ricos do Brasil, felizmente o Brasil vem crescendo em participação na lista, o que não quer dizer que você será o próximo a constar nela, porém não devemos perder o otimismo. O Dr. S/A juntou os brasileiros que constam na lista internacional e acrescentou um pouco de suas histórias.

1 – Eike Batista
Fortuna: US$ 27 bilhões
Setor: Mineração e petróleo

Eike é um dos sete filhos do empresário Eliezer Batista, ministro das Minas e Energia no Governo João Goulart e, ao longo de boa parte da ditadura militar, presidente da Companhia Vale do Rio Doce, então uma empresa estatal. É um empresário brasileiro que atua em várias áreas, com destaque para o setores de mineração e petróleo. É conhecido por sua ousadia nos negócios, a ponto de ser tachado às vezes de aventureiro. Antes conhecido por ser ex-marido de Luma de Oliveira e filho de Eliezer Batista, tornou-se ainda mais conhecido para o público em geral ao conquistar a maior fortuna do país.

2 - Jorge Paulo Lemann
Fortuna: US$ 11,5 bilhões
Setor: Bebidas

Um dos maiores acionistas da Anheuser-Busch Inbev, foi um dos controladores de empreendimentos como o Banco Garantia, vendido em 1998 ao Credit Suisse. É um dos controladores da InBev, a fabricante de cervejas e refrigerantes resultante da fusão entre Brahma e Antarctica e posteriormente fundida com a belga Interbrew, formando a segunda maior cervejaria do mundo. Após a compra da Budweiser pela Interbrew, Jorge Paulo Lemann é um dos donos da maior cervejaria do mundo. Sua maior concorrente é a SABMiller. Foi fundador da GP Investimentos, administradora de fundos de investimento privados com participações expressivas na Telemar, no Playcenter ,Gafisa, ALL, entre outras grandes empresas. Vendeu a GP investimentos à antigos funcionários, entre eles Antônio Bonchristiano, no começo da década.

3 – Joseph Safra
Fortuna: US$ 10 bilhões
Setor: Bancário

José Safra é um banqueiro e empresário libanês, fundador do Banco Safra. Originário do Líbano, onde a família tem tradição no mercado bancário, José Safra estabeleceu-se no Brasil, onde adquiriu cidadania e fundou o Banco Safra, ao lado de seus irmãos Edmond e Moisés. Atualmente, ao lado de seu irmão Moisés, toma conta de diversos negócios, entre eles as participações na Aracruz Celulose SA (papel e celulose), uma empresa telefônica em Israel e diversos bancos espalhados pelo mundo.Joseph Safra adquiriu recentemente a parte do irmão Moisés Safra, tornando-se o único proprietário.

4 – Dorothéa Steinbruch
Fortuna: US$ 5,5 bilhões
Setor: Siderúrgica

É a viúva de Mendel Steinbruch, co-fundador do Grupo Vicunha e figura na lista da revista Forbes como uma das pessoas mais ricas do mundo. É mãe de Benjamin Steinbruch. Recentemente Dorothéa Steinbruch foi anunciada como 160ª pessoa mais rica do mundo. Mãe de três filhos é dona da maior empresa de aço do Brasil, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).Sua família também é dona do Grupo Vicunha que hoje tem fábricas até na Ásia e, também são proprietários do Banco Fibra que hoje tem ativos de US$ 5,7 bilhões.

5 – Marcel Herrmann Telles
Fortuna: US$ 5,1 bilhões
Setor: Bebidas

Em parceiria com outros brasileiros bilionários, Telles investiu e ajudou a tornar a AmBev a terceira maior empresa de cerveja do mundo antes de se juntar a Interbrew em 2004 formando a InBev. Telles comanda a InBev que está se expandindo e desenvolvendo-se em países como a China.

6 – Carlos Alberto Sicupira
Fortuna: US$ 4,5 bilhões
Setor: Bebidas

Participante do trio de investidores e banqueiros que criaram a AmBev, uma das maiores empresas de cerveja do mundo. Sicupira tem grande participação nas Lojas Americanas. Ele se diverte praticando caça submarina, que inclusive possui diversos recordes mundiais.

7 – Aloysio de Andrade Faria
Fortuna: US$ 4,2 bilhões
Setor: Bancário

Aloysio de Andrade Faria (Belo Horizonte, 9 de novembro de 1920) é um banqueiro e empresário brasileiro Formou-se em Medicina, mas pouco exerceu a profissão. Tornou-se banqueiro com a morte do pai, Clemente Faria, e levou o antigo Banco da Lavoura, um banco de médio porte do estado de Minas Gerais, a tornar-se o Banco Real, um dos maiores bancos do Brasil. Após vender o Real para o grupo holandês ABN Amro, Faria fundou o Grupo Alfa. Além do Alfa, é proprietário de mais dezoito empresas, entre elas, a rádio Transamérica, a rede de Hotéis Transamérica e a rede de sorveterias La Basque.

8 – Abílio dos Santos Diniz
Fortuna: US$ 3 bilhões
Setor: Varejo

É um empresário brasileiro, dono da Companhia Brasileira de Distribuição, que inclui a rede de supermercados Pão de Açúcar, Extra, CompreBem, Sendas e Ponto Frio (Globex). Tornou-se também sócio majoritário das Casas Bahia, através da sua controlada Globex S/A.

9 – Antônio Ermírio de Moraes
Fortuna: US$ 3 bilhões
Setor: Diversos

É um empresário , engenheiro e industrial brasileiro formado em engenharia metalúrgica em 1949 na Colorado School of Mines.Presidente e membro do conselho de administração do Grupo Votorantim, Antônio Ermírio é a terceira geração que comanda o grupo fundado por seus ancestrais: o avô, imigrante português António Pereira Inácio, e seu pai, o senador José Ermírio de Morais, que ampliou a empresa em sua época.

10 – Moise Safra
Fortuna: US$ 2,3 bilhões
Setor: Bancário

Moisés Safra é um banqueiro e empresário libanês, fundador do Banco Safra.Originário do Líbano, onde a família tem tradição no mercado bancário, Moisés Safra estabeleceu-se no Brasil, onde adquiriu cidadania e fundou o Banco Safra, ao lado de seus irmãos Edmond e José.Atualmente, ao lado de seu irmão José, toma conta de diversos negócios, entre eles as participações na Aracruz Celulose SA (papel e celulose), uma empresa telefônica em Israel e diversos bancos espalhados pelo mundo. Recentemente Moisés vendeu sua parte no Safra para seu irmão José que se tornou o único propietário.

11 – Elie Horn
Fortuna: US$ 2,2 bilhões
Setor: Imobiliário

Trabalha no ramo imobiliário desde os 17 anos. É controlador da Cyrela, a maior contrutora e incorporadora do Brasil. Nascido em Alepo, na Síria (curiosamente, assim como Joseph e Moise Safra) ele chegou ao Brasil na década de 50, ainda garoto. O empresário confidenciou que também estuda a possibilidade de deixar parte de sua fortuna para uma fundação, a exemplo do que fez Bill Gates e Waren Buffet (primeiro e segundo homens mais ricos do mundo, respectivamente) que doaram grande parte de suas fortunas para a Fundação Bill & Melinda Gates. Essa entidade, porém, não poderia levar seu nome ou a marca Cyrela. A explicação para essa iniciativa iria além da filantropia. “Não quero tirar dos meus filhos o prazer de construir algo com as próprias mãos”, disse Horn.

12 – Antônio Luiz Seabra
Fortuna: US$ 2,2 bilhões
Setor: Cosméticos

Seabra fundou a Natura Cosméticos em 1969 com uma única loja em São Paulo. Nos anos 70 adotou o modelo da pioneira Avon de vendas porta-à-porta. Hoje a empresa conta com mais de 519.000 consultores vendendo cremes e maquiagem no Brasil, Argentina, Chile, México e Peru. Seabra controla a Natura juntamente com seu co-fundador, Guilherme Peirao Leal.

13 – Guilherme Peirão Leal
Fortuna: US$ 2,1 bilhões
Setor: Cosméticos

É co-presidente do Conselho de Administração e dono de 25% das ações da Natura.Leal estreou em 2006 no ranking da revista Forbes que lista as 1000 pessoas mais ricas do mundo ao ter uma fortuna avaliada em US$ 1,4 bi. Em 2010, chegaria ao posto 463º com US$ 2,1 bi e integrar o grupo de 18 brasileiros da lista.

14 – Rubens Ometto Silveira Mello
Fortuna: US$ 2,1 bilhões
Setor: Diversos

Rubens Ometto Silveira Melloé um empresário brasileiro formado em engenharia mecânica pela Escola Politécnica da USP. É o dono da empresa Cosan (IBOVESPA: CSAN3), a maior exportadora mundial de açúcar e etanol e detentora da marca Esso no Brasil, no segmento de varejo de combustíveis.

15 – Liu Ming Chung
Fortuna: US$ 1,7 bilhões
Setor: Papel/Celulose

Liu Ming Chung só ficou conhecido no Brasil um ano antes da crise, ao entrar pela primeira vez na lista dos bilionários da revista Forbes, em 2006, ano em que lançou a Nine Dragons na Bolsa de Hong Kong. Embora seja chinês de origem e viva fora do país desde 1990, Liu se naturalizou brasileiro quando morou aqui por cerca de 15 anos, nas décadas de 70 e 80. Após a abertura de capital, despontou como o sexto homem mais rico do Brasil, entre Moise Safra, ex-dono do banco Safra, e Marcel Telles, um dos sócios da cervejaria InBev. No mesmo ano, sua mulher tornou-se a pessoa mais rica da China, com uma fortuna estimada em US$ 3,6 bilhões.

16 – João Alves de Queiroz Filho
Fortuna: US$ 1,6 bilhões
Setor: Diversos

A primeira grande idéia que o goiano João Alves de Queiroz Filho, o Júnior, de 49 anos, teve rendeu-lhe 500 milhões de dólares. Aos 21 anos, Júnior trabalhava na empresa atacadista do pai quando começou a produzir e vender um tempero embalado contendo sal, pimenta-do-reino, cebolinha e alho que o Brasil inteiro ficou conhecendo com o nome de Arisco. Há três anos, a Arisco foi vendida pela fortuna mencionada acima à americana Bestfoods, que seria incorporada logo em seguida pela anglo-holandesa Unilever. Com meio bilhão de dólares no bolso, Júnior – que foge das câmeras fotográficas por temor de seqüestro – poderia exilar-se numa ilha do Caribe ou em outro cenário paradisíaco qualquer e viver como um rei pelo resto de seus dias. Ocorre que ele teve outra idéia e, talvez não por coincidência, mais uma vez ela vem da cozinha. Com seu braço direito, Nelson Mello, Júnior agora se lançou na conquista das donas-de-casa consumidoras de lãs de aço. Uma espécie de reduto tradicional da Bombril, esse é um mercado de 300 milhões de reais por ano no Brasil.

17 – Jayme Brasil Garfinkel
Fortuna: US$ 1,2 bilhões
Setor: Seguros

Jayme Brasil Garfinkel é formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (1970) e pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (1975). Ingressou na Porto Seguro em 1972 como Assistente da Diretoria, assumindo o cargo de Diretor Vice-Presidente em 1978.Atualmente, é Presidente do Conselho de Administração e Diretor Presidente da Porto Seguro S.A., exercendo, ainda, cargos de Diretor Presidente em controladas e controladoras. Foi membro do CNSP de 1987 a 1991 e Presidente do Sindicato de Companhias de Seguro e Capitalização do Estado de São Paulo de 1989 a 1990.

18 – Júlio Rafael de Aragão Bozano
Fortuna: US$ 1,1 bilhões
Setor: Seguros

Nos anos 60 fundou com o economista e ex-ministro da Fazenda Mário Henrique Simonsen aquele que viria a ser o maior banco de investimentos do país, o Bozano, Simonsen – modelo para outras instituições, como o Banco Garantia e o Banco Pactual.
Nos anos 90 revelou seu caráter arrojado quando adquiriu numa só tacada várias participações em empresas nos leilões de privatização – Usiminas, Companhia Siderúrgica Tubarão, Cosipa, Banco Meridional e, a maior estrela, Embraer. O feito lhe rendeu o apelido de “barão das privatizações”, e Bozano entrou para a história como o homem capaz de identificar oportunidades em negócios aparentemente arruinados e de transformá-los em geradores de dinheiro. A maioria das empresas foi vendida por Bozano por valores superiores aos da compra, e entre as poucas que restaram está a Embraer, comprada por 118 milhões de dólares e hoje avaliada em mais de seis bilhões.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário